segunda-feira, 22 de março de 2010

PAI BENEDITO DE ARUANDA - HISTÓRIA


Nasceu em Luanda, hoje capital de Angola, na África em 1582.

Teve uma infância miserável como grande parte dos africanos de Luanda, quando jovem casou-se tendo filhos com esta esposa que veio a falecer depois de alguns anos.

Como a colonização do continente americano exigia trabalhadores braçais, muitos africanos foram extraditados de seu país de origem para a América do Norte, Central e do Sul. Entre esses milhares de negros que viriam a ser escravos dos portugueses, estava Benedito, que chegou ao Brasil em 1646, com 64 anos, na cidade de Salvador, Bahia, acompanhado de alguns de seus filhos.

Chegando na fazenda "Porto do Sol" em Salvador, Benedito foi designado para ser trabalhador nas lavouras de cana-de-açúcar e na retirada de pau-brasil, apesar da elevada idade.

Um dos grandes presentes que Benedito recebeu desde que chegou no Brasil, foi o conhecimento a respeito de um homem que os portugueses chamavam de Deus e Senhor, chamado Jesus. Benedito amou Jesus desde a primeira vez que viu uma de suas imagens na casa grande da fazenda, depois deste dia nunca mais se sentiu só e desconsolado, pois sentia sempre a presença daquele quem ele havia elegido como Senhor.

Quando estava com aproximadamente 100 anos, já há 36 anos no Brasil, foi vendido para outra fazenda também na Bahia, chamada "3 Marias".

Foi escravo de um homem de seus 30 anos, jovem e de coração duro e rígido, mas que sempre respeitou Benedito desde o primeiro dia que este chegou à fazenda. Com o tempo o senhor foi percebendo os dotes culinários de Benedito, trazendo o velho Benedito para a cozinha da fazenda.

Durante todos estes anos que passou na senzala acompanhado de Joana (Mãe Joana)e seus filhos, João (Pae João da Caridade), José (Pae José), Ritinha, dispensou todo o tempo que tinha para abrandar o coração de centenas de outros escravos da senzala ao qual deu o nome de Aruanda. Falava sempre sobre o consolo que esperaria a todos os escravos após a morte, nos braços de Jesus.

Com isso conseguiu evitar diversas revoltas na senzala Aruanda da fazenda de "3 Marias", por isso todos os escravos respeitavam e amavam muito ao velho Benedito ao qual eles chamavam de "senhor", na língua nagô, "Pae".

Benedito sempre dizia: "senhor é apenas o Senhor Jesus Cristo, que consola todos os desconsolados, pacifica todos os atormentados, amando os odientos, perdoando aqueles que ofendem, unindo os que discordam, dando luz àqueles que vivem nas trevas", incentivava a todos a amarem mais que ser amados, dando mais que recebendo. Desta forma não havia coração que não amolecesse em suas mãos.

Benedito casou-se com uma mulher bem mais nova que ele, chamada Joana, que seria sua companheira por longos anos.

Quando tinha 126 anos nasceu mais um filho ao qual ele deu o nome de Benedito e no ano seguinte nasceu no mesmo ano o filho do dono da fazenda.

Os dois meninos sempre brincaram juntos, Ditinho com sua molequice e o menino Cidinho, filho do dono da fazenda, com sua alegria.

Cidinho passava mais tempo na senzala com os escravos do que na casa grande. Desde o seu nascimento Pae Benedito devotava um carinho muito grande por Cidinho embalando seus sonos, e por várias vezes Cidinho dormia no seu colo ao som de suas histórias na senzala e Pae Benedito o levava para a casa grande.

Quando Ditinho, filho de Pae Benedito, completou 15 anos começou a se envolver com libertação de escravos, trabalhando para livra-los da fazenda.

Quando o dono da fazenda descobriu isto ele mandou que chicoteassem Ditinho até a morte, desta vez Pae Benedito entreviu e pediu para que o dono da fazenda não fizesse aquilo.

- Por favo coronel, em nome de Jesus, não faça isso com o Ditinho. Falou Pae Benedito

- Desta vez foi demais Benedito, eu esperava qualquer coisa desses negros imundos, mas do seu filho... Isso foi um ultraje à minha autoridade, ele vai pagar.

- Por favor, não, faça isso comigo, mas não com ele...

- Seja feita a sua vontade, velho Benedito, mas foi a sua vontade e não a minha!

Os capatazes do coronel agarraram o velho Benedito com 140 anos de idade e subiram uma ladeira até o tronco. Neste momento o Cidinho, o filho do coronel começou a gritar desesperadamente, e o seu pai o segurou, e ele gritava, cada vez mais alto.

Puseram Pae Benedito no tronco e cada chicotada era sentida pela centena de escravos que foram trazidos para aprenderem o que acontece com quem tenta fugir. Dona Joana e Cidinho choravam e gritavam.

O velho coronel não entendia porque seu filho se importava tanto com um escravo, até que Cidinho de tanto gritar, desmaiou, e o coronel pediu para que parassem de bater no velho escravo. Pae Benedito desmaiou sem ter dado sequer um grito.

Pae Benedito foi jogado à beira da praia com ameaças de que, se alguém tentasse fazer algo por ele receberiam o mesmo.

Mas as preces de todos foram ouvidas, alguns jesuítas recolheram a Pae Benedito, que ficou desacordado por 22 dias, sendo tratado com bálsamos e remédios para as chagas que lhe marcavam todo corpo.

O filho de Benedito, Ditinho, foi morto. O filho do coronel depois daquele dia prostrou-se e depois de tomar um coice de um cavalo de raspão, morreu. Na verdade morreu de saudade do Pae Benedito.

A resistência de Pae Benedito era tão grande que conseguiu se recuperar, agradecendo a Deus e ao seu amado Jesus, pela assistência recebida dos jesuítas.

Mas o seu amor e sua humildade marcaram tanto aqueles jesuítas que ele passou a morar com eles, e a partir daí passou a atender as pessoas que pedissem ajuda, aconselhando a todos, até influentes políticos da região que iam constantemente pedir-lhe orientações.

Como os jesuítas não poderiam mais permanecer com ele ali, Pae Benedito passou a morar numa pequena choupana na ponta da praia cedida pelo capitão hereditário da Bahia, com sua terceira e última esposa.

Em 1752, morria de falência múltipla, com 170 anos Pae Benedito de Aruanda, deixando 18 filhos, entre os quais muitos deles tornaram-se espíritos de luz.

Após desencarnar foi recebido pelo espírito daquele a quem tanto serviu, Jesus Cristo, que lhe disse:

- Vem Benedito, agora descansa, que logo mais é hora de trabalhar em favor da humanidade!

Pae Benedito comanda na espiritualidade a falange de Aruanda, que tinha sido um grupo de escravos e agora é um grupo de trabalhadores ex-escravos na espiritualidade, a serviço do próximo.

EVANGELIZAÇÃO


PARTIDA EVANGÉLICA


Atendendo às diretrizes da Espiritualidade, Koatay 108, em abril de 1973, logo após a Consagração do 1. de Maio, decidiu iniciar uma nova fase na nossa Doutrina, lembrando as palavras de Pai Seta Branca em sua mensagem de 31.12.80: “Jaguar, meu filho, alertai! Poderás caminhar em praias desertas, sem te encontrares com um irmão... Poderás atravessar um castelo sem te encontrares com o dono que te deu o endereço... (...) O Homem é uma entidade espiritual que só pode ser feliz conhecendo o caminho de volta ao seu lar espiritual, de sua origem, o seu reino, a personalidade em Deus. O processo para se voltar ao Supremo é um ramo de conhecimento diferente e é preciso aprendê-lo no Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo!” Ela fez uma carta que explica nossa Partida Evangélica:



· “Filhos: Agora eu quero a vida evangélica: vamos, agora, fazer algumas renovações e enfrentar as coisas que eu nunca tive oportunidade de fazer. Quero uma nova distribuição de mestres para um curso evangélico. Teremos novas instruções para esses mestres e irei formar novos instrutores para o Desenvolvimento de médiuns a caminho das Iniciações. Estes terão que adquirir conhecimentos evangélicos, onde se tratará de Jesus ou de Sua vida. Serão conhecimentos de precisão, com mestres escolhidos com muito amor. Quero Jesus, o Caminheiro; quero Jesus, o Nazareno; quero Jesus redivivo; quero Jesus de Reili e Dubale. Eu não gosto que falem em Jesus crucificado. Quem somos nós para entrarmos nesse mérito? Jesus crucificado, ao lado do bom ladrão e do mau ladrão. Na maioria, os Homens só dão valor a Jesus por ter sido crucificado, e muitos já querem, também, se libertar do Jesus crucificado, dizendo que Ele tinha corpo fluídico. Não é verdade: Jesus passou por todas as dores do Homem físico da Terra. Não gosto que falem em Jesus crucificado porque poucos entendem, poucos sabem de Sua dor! Sabemos que Ele olhava para o Céu e estava perto de Deus, naquele grande cenário. Porém, olhando para baixo, sentiu-se entristecido ao ver o regozijo dos planos inferiores, a incompreensão daqueles que o olhavam sofrer na cruz. Jesus chorou porque, subindo tão alto, deixando seus irmãos na individualidade, viu que eles ainda não acreditavam que era Ele, realmente, o Messias, obedecendo às leis de Deus Pai Todo Poderoso. Exato: os Homens, há pouco, Lhe haviam permitido tudo, pensando ser Ele um rei, mas igual a um rei deste mundo físico. 


Entramos com a filosofia de Mãe Yara, que nada é obrigatório. O povo daquela época não raciocinava como se aquela atitude de Jesus fosse de humildade. Raciocinava, sim, como se fosse uma falta de força. Continuando com a filosofia de Mãe Yara, até hoje Deus não nos quer obrigado às doutrinas. O Homem só tem confiança no outro quando o vê com uma força maior. Longe estavam de sentir o poder de Jesus e, então, nos diz Mãe Yara: O Homem deixa sua grande força e vai buscar outra força, uma pessoa que, às vezes, nada promete. Assim, ele não permite que seu sexto sentido faça uma análise do seu Sol Interior, nos três reinos de sua natureza, rejeitando, na sua vida, a busca do que é seu. 

Jesus veio com todo aquele sofrimento e deixou que cada um o analisasse por si mesmo, em sua própria filosofia. O que eu quero é que vocês se conscientizem em Jesus, no Seu amor que era tão grande. Foi tão grande, é tão grande, e veio parta nos mostrar que a felicidade não é somente neste mundo. Meu filho Jaguar! Neste mundo de provações, num mundo onde as razões ainda se encontram, a cada dia nos afloram novos pensamentos, novas lições. Porém, os planos espirituais ainda não conseguiram apagar as imagens de Jesus crucificado. Aqui no plano físico, desde quando foi escrito o Santo Evangelho, seus ensinamentos são iguais e, até hoje, ninguém se atreveu a mudá-los. O Homem ama pela força perceptível e receptível. Ninguém acredita na ressurreição dos mortos e, sim, na ressurreição do espírito vivo, mais alto que o Céu! O Homem só quer crer nas alturas, acima do seu olhar... Estamos no limiar do Terceiro Milênio e temos que afiar nossas garras! É hora da religião, do desintegrar das forças, e não podemos nos esquecer, por um só momento, da figura de Jesus, o Caminheiro, e de Seu Santo Evangelho. E para que sejamos vivos ao lado de Jesus, temos que respeitá-Lo em todos os sentidos e, no sentido religioso, temos que respeitar as tradições, porque a religião exige o bom propósito moral e social. Assim, a única maneira que podemos dizer é: vivemos num mundo onde as razões se encontram. No descortinar da minha mediunidade, minha instrutora - Mãe Yara - não me deixou cair no plano de muitos, e me advertia a toda hora. Eu podia sofrer, mas Mãe Yara e Pai João não me deixavam sem aquelas reprimendas. Não tinha importância que eu sofresse, desde que minha obra seguisse seu curso normal e eu fosse verdadeira. 

Em 1958, eu estava no auge de minhas alucinações, como diziam as demais pessoas que me conheciam. Quando eu trabalhava na NOVACAP, um dia me sentei num restaurante, porque me distanciara de casa. Estava conversando com três colegas e falávamos sobre nosso trabalho. Entramos no Maracangalha, um restaurante da Cidade Livre. Trouxeram uma travessa com bifes, por sinal muito bonitos. E era sexta-feira da Paixão! Eu tinha os princípios da Igreja Católica, mas nada levei em consideração e coloquei o bife no prato. Naquele instante (na vibração e na desarmonia em que eu vivia), ouvi uns estampidos e vi Mãe Yara. “Filha - disse Ela - continuas como eras... Já estás tão desajustada que esqueces dos princípios da Igreja Católica Apostólica Romana? Alerta-te! Cuida dos teus sentimentos. O dia de hoje representa, em todos os planos, os mesmos sentimentos por Jesus crucificado. Em todos os planos deste Universo que nos é conhecido sentimos respeito! Filha, está na hora: devolva o teu bife para a travessa do restaurante!” Eu estava na companhia de três pessoas, como já disse, e vi que não comiam a carne. Eles ainda não acreditavam em mim, entre a mediunidade e a loucura... “Coma amanhã - continuou Mãe Yara -. Não irás mais festejar as incompreensões, as fraquezas daquele pobre instrumento que foi Judas!...” Naquele instante comecei a pensar. Começaram a passar por minha cabeça imagens de Judas, que vendeu Jesus por trinta dinheiros. Mãe Yara, alheia aos meus pensamentos, continuava: “Judas não foi um traidor. Foi, sim, um supersticioso. Na sua incompreensão, acreditou ser Jesus um líder político. Judas tivera grandes oportunidades de conhecer Jesus, pois O acompanhava desde sua chegada do Tibet.” Nesse período, como já nos esclarecera Mãe Yara anteriormente, Jesus passou dos 12 aos 30 anos nos Himalaias, para onde fora levado com a permissão de Maria e José, Seus pais. Lá, Ele fora iniciar-se junto às Legiões em Deus Pai Todo Poderoso e formar o que hoje conhecemos como Sistema Crístico, os mundos etéricos. De lá Ele voltaria para o início da Sua tarefa doutrinária evangélica. 

 Foi quando Jesus chamou aqueles humildes pescadores para serem pescadores de almas, e que viriam a ser em número de doze, estando Judas entre os escolhidos. Junto a Jesus, Judas sofreu humilhações nas sinagogas, quando os rabinos voltaram as costas para ele... Enfim, quantas lições recebidas, fenômenos testemunhados!... Mas só os pobres e os miseráveis O conheciam, analisava Judas em sua incompreensão, já cansado das perseguições naquela época, e pensando que, ao forçar um confronto entre Jesus e os homens que O perseguiam, Jesus, com um simples olhar, colocaria por terra toda aquela gente. Pensava, assim, forçá-Lo a usar os Seus poderes e ser, realmente, o rei do mundo. Lembrou-se, também, de quando foram convidados por Jesus para O acompanharem e que o dia estava ruim para pescar, e o Amado Mestre, atirando a rede sobre as águas, a trouxe cheia de peixes. Enfim, Judas não acreditaria que o Grande Mestre passaria por todas aquelas humilhações. Porém, não foi assim. O que viu foi Jesus ser amarrado e, a pontapés, ser levado à presença de Pôncio Pilatos... Não foi remorso. Foi um grande arrependimento, uma grande dor por não haver compreendido a grande missão de Jesus que o levou, chorando, pensando, a enforcar-se numa figueira. Formou-se um temporal, o céu escureceu, como escureceu sua própria alma. Por que vamos rir, festejar a sua grande desgraça? Entre os diversos conceitos da Igreja que nós respeitamos e, como se tornou uma tradição em todos, ou quase todos sacerdócios, digo: nós não comemos carne às quintas e sextas-feiras da Semana Santa. Nós respeitamos esses conceitos. Eles não nos atrapalham em nossa vida evangélica. E respeitamos as tradições da Igreja Católica, que foi a base de todas as religiões. Veja até onde vai a superstição do Homem, veja o que aconteceu quando um grupo de mestres distribuiu suas forças e poderes de Magia, de sábios conhecimentos permitidos por Deus. 

Todos já ouviram falar em homens que recitavam a vida dos outros, que levantavam móveis, enfim, realizavam fenômenos e de que não vamos entrar no mérito agora. Um desses homens, muito sábio, sabia que levantava móveis, podia até mesmo fazer voar a sua tenda, mas viu que não curava a si mesmo, que as curas eram muito relativas. Ele tinha uma enorme ferida na perna e sabia que existiam muitas espécies de mediunidades, de forças. Sim, existem muitas espécies e, para ser mais prática, como sendo o Doutrinador e o Ajanã, que têm força universal, têm uma espécie de força de cura para perturbações do espírito ou limpeza das vidas materiais. E é assim, também, com outros tipos de curas. Sim, falamos em força universal. Esta expressão está sendo mal atribuída no nosso tempo. Os Pretos Velhos falam em força universal e muitos pensam que ter essa força é ter duas mediunidades. Não é verdade! A força universal é a de um médium - digamos, um Doutrinador - com uma espécie de força que cura todas as enfermidades. Veja isso num Apará, distribuindo bem a sua mediunidade. No Homem, é bem distinta essa força. O velho sábio supersticioso tinha força universal, mas não acreditava na força do carma. E aquela ferida nada mais era do que a voz do seu carma! Então, o velho sábio soube de um homem que curava, e se encaminhou para ele. Não sabia ele que ali em sua tenda, estava sob a regência da Lei do Auxílio, e sua perna, ali mesmo, recebia as gotas do prana. O velho sábio, incrédulo à sua própria força, partiu ao encontro do famoso curador. 

Era longe. No caminho, sua perna doía. As gotas de prana, não o encontrando na tenda, voltavam. Com muitas dificuldades, chegou lá e qual não foi sua surpresa dolorosa: a casa do curador estava cheia de outros sofredores, como ele, ali também lhe pedindo a misericórdia da cura. Foi quando o velho curador se aproximou dele e falou: “Meu Deus! Eu estava com uma ferida na perna, morrendo de dor, pensando em ir atrás do velho sábio de Venal, e ei-lo que chega! Eu já estou curado, já cicatrizou a ferida. Graças a Deus, estou bom! Oh, graças me foram dadas! Meu mestre de Venal, em que lhe posso ser útil?” O nosso velho sábio, olhando de um lado para outro, pensava: havia se preocupado somente com a sua própria dor! É verdade, filho: cada fracasso de nossa vida nos ensina o que necessitamos aprender. Ajude a todos sem fazer exigências, confiando primeiramente nessa força que vive dentro de você, porque a fé em você mesmo firma a sua personalidade. Volte-se para si mesmo. Resolva os seus problemas sozinho. Escolha os seus amigos. Com a sua mente calma melhor poderá sentir os seus instintos, a sua capacidade, onde você poderá chegar e vencer a si mesmo. 

Conhecemos a Vida quando conhecemos a Morte! Então, o velho sábio, levantando as mãos, exclamou: “Oh, meus Deus, perdoa-me por duvidar da minha própria força!” E, envergonhado, sem coragem de olhar para o Céu e sentir o olhar de Deus, se entregou à sua força e pediu ao velho curador que trouxesse toda aquela gente para atendê-los, se aproveitando do prana. Enquanto isso, passava por sua mente: “Oh, Deus Pai Todo Poderoso! Seja feita a Sua santa vontade. Deixa que doa a minha ferida, que eu me levante do meu orgulho de sábio a caminho de Deus... Dá-me forças para que eu possa curar. Não tire minha ferida!” Quando viu, as pessoas já estavam curadas e ele, também curado, caminhava. (...) Estamos em alto conceito nos Oráculos de Obatalá e de Olorum. É chegada a hora de movimentar nossa força. Temos um Sol Simétrico. Somos remanescentes de Amom-Ra e, portanto, temos que viver na simetria deste Sol. Não podemos nos afastar do que é nosso, não podemos, absolutamente, trabalhar inseguros. Vivemos em um mundo onde as razões se encontram e a grandeza desta Corrente Mestra é a segurança de uma verdade sã e pura. Onde estivermos, aqui neste mundo, viveremos todo este acervo. Não é para buscar provas ou coisas que a valham. 

Provamos com nossa perseverança e com os fenômenos espontâneos trazidos pelos nossos Mentores. Passamos o tempo de brincar. Vivemos sob a aura da Natureza, respiramos o seu aroma, sentimos que somos diferentes da constituição dos demais. Só Deus conhece Deus, nos revelou um sábio do nosso Terceiro Sétimo! A vida de Deus é a nossa vida, e com Ele vibramos com amor e integridade! É chegada a nossa hora! Estamos pisando no limiar do Terceiro Milênio. Sei que seremos nós os primeiros a socorrer a pressão provocada pelos grandes fenômenos que virão, que surgirão. Sim, surgirão de muitos planos da Terra, nos horizontes das águas e, também, luzes, mil luzes que, junto a nós, nos ajudarão. A vida, filhos, se tornará além das nossas forças, das nossas dores... Não se esqueça, filho, da multiplicação do seu coração. Não cresça em si mesmo. Procure, sempre, ser pequeno para caber no coração dos demais. Cuide de si mesmo: o Homem só sabe que está evoluindo quando deixa de se preocupar com os malfeitos do seu vizinho.” (Tia Neiva, 27.4.83)

terça-feira, 16 de março de 2010

CARTA ABERTA Nº 09

Salve Deus!

Meu Filho Jaguar,

Sabendo-se que as forças da cabala, são transmitidas por vibrações, vejamos agora, como elas são aplicadas. Tudo o que foi criado emite vibrações, quer seja causa orgânica ou não. Quando as vibrações entram em harmonia, corpos mântricos, começam a se manifestar e num bailar colorido, sempre formando um grande véu, para envolver as forças decrescentes que vão se aninhando no seu objetivo; principalmente os herdeiros fazem as suas oferendas. São as normas da magia de Nosso Senhor Jesus Cristo, que somente se liga quando os mestres entram em harmonia. Custe o que custar, é um trabalho de suma precisão, dependendo do auto domínio em relação à mente, auto-domínio na ação, tolerância e confiança. Estes pontos são tratados com freqüência. Significa muito domínio do temperamento, principalmente nas entregas. É uma tarefa puramente santa, que deve ser “encarada” como um sacerdócio. É um trabalho entre o bem e o mal; não admite interferência. É firme como uma rocha, fazendo distinção. Não há reservas; distinguir entre o verdadeiro e o falso; este é o lado de Deus. Vários são os movimentos de um pólo ao outro da cabala; passam linhas de forças que a própria vibração em movimento, no sistema de uma complexidade em movimento, completando o ciclo iniciático, no primeiro dos três reinos; grandes reinos da natureza, onde ascendam o animal e o micro de ínfima espécie; microorganismo, atingindo e renovando as nossas células, no movimento intramolecular, na operação e suas subdivisões de mudança em mudança, de um corpo para outro, evoluindo as partículas de forças, atingindo a faculdade do livre-arbítrio, e assumindo sua total formação. Em todos os movimentos que executa, passa de esfera para esfera, refinando para depois emanar, projetar, emitir, e por último raciocinar; ritual físico. Feito todo este acervo: Cabala de Ariano, podemos então nos preparar, renovando as invocações e nos seus pontos de partida, invocar a raiz desejada, como sendo: Simiromba: Arakem na linha de Simiromba: Adones, na linha de Arakem; Oner na linha de Adones. Eridã Alufã Aknaton, e Delan. Estas Raízes que formam o nosso sol iniciático trabalham na Cabala de Ariano, ou adjunto de Jurema; isto em sintonia individual. Meu filho tudo que o homem possui, é a sua própria alma, portanto, vamos ilustrá-la. Vamos nos manter unidos, para que a voz de Deus se torne viva entre nós. Meu filho, o fogo chega perto da sombra e não a queima, o teu pensamento acerca dos outros deve ser verdadeiro; aquele que quiser trilhar a senda terá que aprender a pensar por si só. As saídas são mais dolorosas do que as entradas, dolorosas pelo frustamento que as irradiações nos casos nos produzem. Meus filhos, grandes revelações nos esperam. Quando falamos do que seja um conhecimento de cabala é preciso saber à hora de falarmos no assunto, porque cabala é uma ciência mística, que não permite o emprego a homem pretensiosos e vaidosos, no caso é um desastre. Dizem que o mundo está quase preparado para uma grande viagem, nunca os poderes tiveram ou encontraram tanto acesso, e, também nunca tiveram tão próximo do homem. A cabala precisa de liberdade para agir. É importante dizer, sinto necessidade que imprima na vossa mentalidade a significação da palavra cabala. No nosso ritual, a cabala é o leito das forças decrescentes, místicas. Quando falamos das forças da cabala, queremos nos referir às forças dos poderes superiores. Quando falamos dos espíritos da cabala, nos referimos aos espíritos que vivem em planos superiores de desenvolvimento. Como citei acima: Olorum, força máxima que nos impede de muitos desatinos. Cada tema desses citados acima, terão de viver na ponta da língua, pois muito breve, seremos solicitados insistentemente, por todo este mundo, como eu já os respondo. Na nossa doutrina, meu filho, encontrara o fundamento de todas as coisas em detalhes, e em melhores condições, não só do instrutor, como de sua própria condição de missionário. Todavia, tudo isto é força brutal, e nós somos o filtro, somos nós que refinamos. Olorum, oráculo! Deus da guerra, do fogo da água e do ferro. Ponto de partida das três forças universais. Ifã: Mensageiro dos Orixás, cavaleiro ligeiro. Orixás; dos Oxan-by; Deus da cura! Lança Vermelha, cura desobsessiva. Chapanã, ou lança negra; justiça fatal. Simiromba, Deus do amor, lei de causa e efeito; não tem vinculo na linha de Chapanã, porem, trabalha na linha ou junto à linha com Oxan-by, Lança Vermelha, Ifã, cavaleiro ligeiro. Sim, meu filho, por ai você já pode ir começando a analisar os aspectos ou sentimentos desta raiz milenar, que seguindo as normas de Deus, se desenvolve, consciente ou não. Vivem a manifestar suas forças e sua lei. Se trabalharmos bem, ou pelo bem, temos todas estas forças. Se trabalharmos errado, temos o Orixá Chapanã, lança negra. Não pretendo fazer aqui o que a igreja não fez, porém, cultivar e fazer, renascer o espírito da verdade. Confirmar, tão somente, a esse respeito, qual foi o espírito cujo sincretismo, se fez dos iniciados, a ciência oculta, cuja ciência parou, tal é o endurecimento das consciências. Jamais se viu tanta riqueza e tanta miséria, vivemos o extremo. O que temos deste conhecimento, nos servirá neste e no outro plano.

A Mãe em Cristo, que vos deseja sorte no espírito da verdade.

Vale do Amanhecer, 28/10/1 977. Tia Neiva.

CARTA ABERTA Nº08

Salve Deus,

Meu Filho Jaguar!

Para termos uma compreensão melhor, daremos uma explicação através de cada uma de sua orbe terrestre e suas particularidades renovadoras. Fica bem explicado que o ser humano encarnado ou desencarnado continua sempre a sofrer alterações em seus reinos coronários porque o espírito não para sua evolução, modificando, renovando, por outros mais apurados até sofrer novas alterações, par combinar em outros mundos de outras matérias. Devemos saber que a forma de aprimorar-se ou degradar-se de acordo com a sintonia mental em que nos colocamos, pois somos preparados nos planos espirituais. Viemos cada um preparado ou instruído com a sua lição. Também se colocam os mundos e seus habitantes que segundo os seus conhecimentos saímos preparados e orientados por eles, por conseguinte em maior evolução. Onde estamos sentimos em Deus esta sintonia, sintonia Universal.

A matéria não se organiza, é organizada, sua função representa senão uma modalidade de energia esparsa. Nossos elementos nos planos físicos chegam a ultrapassar as barreiras do nêutron na formação do nosso sistema planetário. As funções ou injunções concentradas de energia do plexo físico em fuzão é que resulta o nêutron; que se destina em uma nebulose que pela força da gravidade pressionando em todas periferias para o centro, provocou o movimento circular que, paulatinamente, modificou sua forma. Um sentimento mais ou menos espiral, acompanhando o movimento circular giratório denominado centrípeta e centrífuga. Centrípeta tem por sua vez reunir todas as energias ou fluídos equitoplasmaticos no centro coronário. A centrífuga afasta ou emite na horizontal, na progressiva condensação sob o governo do eixo solar de nossa natureza. Fazendo esta explicação um mestre, um filho, faz a seguinte pergunta: Tia, porque o nêutron? Então ele não nos atrasa nos escondendo dos espíritos? (pergunta inteligente, achei). Não haveria sentido o corpo físico se houvesse uma só visão, não haveria também necessidade do sol que ajuda esta condensação material. Como seria a vida solar? Com tantas imagens, com tantas visões deformadas nos espíritos em cobrança. Bem coordenada nossa explicação sobre nêutron e todos estes aspectos da doutrina, em suma o preceito fundamental de Jesus Cristo que são as Leis Eternas de Deus Pai. A energia viva, o pensamento, desloca em sua força sutil, visto através da alma racional. Deus puro tríplice, ou seja, espírito, alma, espírito em toda a manifestação universal, a trindade do cristianismo: Pai, Filho e Espírito Santo ou “Chaves do Verbo Divino”.

Concebo que a verdade se resume em Deus único, todo Poderoso, que ao sentirmos sua visão acalmamos a alma e as tempestades servem para burilar o nosso espírito. Falamos muito de consciência ou peso de consciência, no entanto, é preciso constância, o que mais falta no homem. É também ter a razão do tempo na terra e no astral, no interior psíquico, damos vazão à casualidade, pelos insultos transtornando a mente. E nos infelizes estados alucinatórios, sem saber vai integrando as margens da esquizofrenia. São freqüentes os fenômenos de vozes, visões, de alucinações que a própria esquizofrenia produz. Esquizofrenia é efeito da mediunidade. Isto sim, alterações relacionadas com o sistema nervoso, em relação ao mecanismo são as mais freqüentes, as mais perigosas, nos fenômenos alucinatórios. Nossa alma esta cheia de amor, só falta saber emprega-lo e, pensar que o mal progride pela falta do seu emprego. Na progressiva condensação, no governo das Leis, esta nebulose, que nos protege no momento da rotação aumenta milhões à força centrífuga com recurso até na Lei do Auxílio.

Nosso êxito ou fracasso, persistência ou fé, com que consagramos mentalmente o objetivo que devemos alcançar, depende unicamente do equilíbrio total de sua consciência. Expomos aqui os fatos consagrados pela natureza. Então, a primeira coisa que devemos fazer é guardar os valores separando as tradições válidas das que são convencionais. A grande parte do valor da tradição vem justamente da sua função em Deus. Nêutron não se impregna pela energia, sofre alteração entre o dia e a noite. Em todas as suas grandezas, há mais uma grande especialidade, a magia neutra ou nativa. A defesa do nêutron, que graças a ele é que chegamos até aqui. Se não fosse o nêutron vivíamos sobressaltados pelas constantes explosões dos átomos e também flutuando como pequenos balões.

Por exemplo: A magia neutra ou nativa é capaz de engrandecer o trabalho ou precipitar o desastre, dependendo disso, daqueles que manejam o magnetismo. Em si, não é bom, nem mal, existe, dependendo disso, do agente nativo “neutro”, é capaz de gerar o bem ou produzir o mal. Por exemplo: abre-se um trabalho de magia neutra “nativa”, capaz de promover correntes magnéticas, porém assumindo seus perigos. Por exemplo: Não há aperfeiçoamento da alma, corre os perigos de acrisolamento do baixo astral, dos vales negros, porém, nada impede nas leis “etéricas” contra a realização destes trabalhos, que não passam de correntes “eletromagnéticas”, sem luz do “néon”. Graças ao nêutron o homem é protegido na sua inconsciência, que controla os princípios magnéticos, porém, em termos de lei que possam burilar sua alma ou consciência. Para ser mais preciso o corpo físico que é para a alma o próprio lar, distribui bons exemplos nas mesmas circunstancias diante deste comportamento mediúnico. Há diferença de quem recebe uma lição raciocinada com o coração e a cabeça. Meu filho Jaguar, tenha na mente que, quando sintonizamos no desejo de servir com amor, servimos sempre – temos algo para oferecer, porém, no curso extras sensorial, contidas impossibilidades virtuais na esfera do pensamento. Ninguém espera milagres, e sim, os fenômenos produzidos na lei de causa e efeito, na individualidade, contemos a criação, sentimos a lógica acima de tudo. Porque acima dos sentimentos há a razão.

Nada nos impede de subirmos ao cimo da montanha pela velha estrada, porém para que? Se temos o roteiro exato da nova. A diferença da velha e da nova estrada é porque temos uma das primeiras coisas que observamos na velha estrada em nosso caminho, são as ruínas dos velhos templos. A velha estrada foi pontilhada por mil tribos e dividida durante muitos e muitos séculos, prosseguindo mais um pouco nesta viagem, chegamos a um longo e puro sentimento, que nos dá razão deste novo caminho de novas perspectivas, onde desmanchamos o ciclo vicioso, que nos leva a velha estrada, nas primeiras coisas que observamos no velho caminho, são as ruínas dos velhos templos.

Meu filho Jaguar, procure sempre à lógica do que vos digo, não raciocine por mim e sim pelo que pode acumular. Do nosso lado esquerdo sentimos a magia magnética animal “dançando” ou movimentando-se em diferentes mecanismos, oferecendo sacrifício ao corpo humano, AVANÇANDO pesados largos da superstição, da insegurança e do medo. A magia neutra “nativa” acompanha a velha estrada, que construída por experiência das diversas tribos, envolveram sacrifícios de bichos, animais do Egito primitivo, nas ofertas aos Deuses. Então, meu filho, prosseguindo cautelosamente mais um pouco nesta viagem, chegaremos a um lugar onde veremos a construção definitiva desta estrada, que consiste dentro de nós mesmos, edificada pela Lei de Auxílio do Cristo único, Jesus Nosso Senhor, lutando com a pobreza e a doença. Por outro lado do caminho, vemos ainda, outras tribos naturais, realizando as mesmas cerimônias de superstição e medo.

O que me assusta, são os HOMENS PÁSSAROS, com semelhança humana, rápidos, inteligentes, oferecendo cura, coisas materiais, e ficam revoando até conseguir o objetivo. Deus não trouxe o homem nesta terra para sofrer ou leva-lo a miséria, o criou para ser feliz, dando-lhe a inteligência no livre arbítrio, todavia, apesar de tudo o que o homem fez contra as leis se aproveitando dos velhos pergaminhos, buscando o que já deixamos para trás e o que nos fez voltar, segundo as leis e forças que Deus criou.

Filhos, o mundo nos faz as perguntas e a sociedade nos obriga a responder. As perguntas são transmitidas e aplicadas pelas vibrações. Salve Deus.

Entregando meus olhos a Jesus, para que possamos caminhar na Nova Estrada, para novas conquistas.

Com carinho, a Mãe em Cristo,

Tia Neiva.

Vale do Amanhecer, 04/10/77.

CARTA ABERTA Nº 07

QUERIDO FILHO JAGUAR:

Salve Deus!

Meu filho, dias luminosos, de grandes acontecimentos e manifestações estão se aproximando, e nós, a velha tribo Espartana, conservando a nossa individualidade vamos unidos num só pensamento por este universo tão perfeito, impregnando o amor, a fé e a humildade de espírito em todos os instantes.Somos magos do Evangelho, e como espadas luminosas vamos transformando e ensinando com nossa força e conhecimento, aqueles que necessitam de esclarecimentos.

É somente pela força do Jaguar, nesta Doutrina do Amanhecer e na dedicação constante de nossas vidas, por amor, que podemos manipular as energias e transformar o ódio, a calúnia e a inveja, em amor e humildade, nos corações que doentes de espírito permanecem no erro.Quantos se perdem por falta de conhecimento e por não terem a sua lei. Nós temos a nossa lei, que é o amor e o Espírito da Verdade. Vamos amar e, na simplicidade de nosso coração, distribuir tudo o que recebemos na Lei de Auxílio aos nossos semelhantes.

Somente a vontade de Deus nos tem permitido afirmações tão claras nesta passagem para o Terceiro Milênio. Somos a força do Sol e da Lua; somos um povo esclarecido e temos em nosso íntimo o amor e o Espírito da Verdade. Temos o poder em nossas mãos e assumimos o compromisso de fazer de nossa missão o nosso sacerdócio, pleno de amor.

O Pão que alimenta os nossos espíritos e nos dá a vida é a força doutrinária. Temos o poder, mas, para sermos úteis e eficientes é preciso que tenhamos equilibrada e firme a nossa mente e cultivemos a humildade. Vamos levar mais a sério o nosso compromisso e busquemos sempre em nossas origens e em nossas heranças a energia e a segurança para que possamos seguir com perfeição a trajetória que escolhemos quando assumimos vir a este planeta para redimir as nossas culpas e débitos contraídos em outras encarnações.

Vou sempre em Xingu, em buscas das mais puras energias para o conforto e harmonia da cura do corpo e do espírito, e desenvolvimento de nossas vidas materiais. Força de Xingu é força vital. Meu filho vamos levar a nossa mente a Jesus, e que nossas vibrações cheguem constantes ao Oráculo de Simiromba, emitindo e irradiando o amor.

Que a conduta Doutrinária e a conduta de sua vida de Caminheiro, seja perfeita para que possa equilibrar os três Reinos de seu Centro Coronário, e seu Sol Interior possa irradiar sua luz bendita. O Homem equilibrado é a Presença Divina na Terra, realizando com a sua mente sábia uma constante conjunção dos dois Planos levando sua vida na simplicidade e disponibilidade, a iluminar com seu Trabalho Espiritual constante.

Sinto a cada instante as vibrações de cada um de meus filhos e estou sempre procurando aliviar as suas dores. Sei que dores e angustias afligem o seu coração e que pesado é seu fardo. Meu filho, os nossos destinos cármicos tem exigido de nós momentos de grandes sofrimentos mas, confiantes vamos prosseguir em nossa caminhada em busca de mais evolução e das realizações que desejamos.

É somente pela dedicação cheia de amor de nossas vidas, na Lei de Auxílio, que conseguimos aliviar nossos momentos cármicos. Com o nosso Trabalho Espiritual podemos nos evoluir e dar tudo de nós. É curando as dores dos nossos irmãos que curamos as nossas dores e sofrimentos. Jesus lhe conceda o entendimento e a sabedoria, para que esta mensagem seja para você um caminho seguro e aumente o seu entusiasmo nesta sua jornada.

Que em todas as horas esteja o seu espírito possuindo a paz interior.

Seja esta cartinha um despertar da Mãe em Cristo.

09-04-78. Tia Neiva.

CARTA ABERTA Nº06

Querido filho Jaguar,

Salve Deus:

Meu filho quis a vontade de Deus que estivéssemos reunidos neste limiar do Terceiro Milênio, para o equilíbrio e amor, na luz da Doutrina Cristíca, a todos os homens e espíritos carentes de esclarecimentos.

Estamos preparados, cheios de forças e energias para a execução perfeita desta tarefa doutrinária, para o ajustamento das mentes e a perfeita harmonia do nosso Universo. Vamos manter o nosso padrão vibracional elevado e equilibrada a nossa mente, para podermos irradiar a tranqüilidade e a paz e, com o poder do nosso espírito possamos curar e iluminar a todos.

Cultive em seu coração o amor, a alegria e o entusiasmo para que em todas as horas estejas pronto a emanar e a servir na Lei de Auxílio. Pai Seta Branca diz que a “humildade e a perseverança dos vossos espíritos, conduziram-me ao mais alto pedestal de força básica que realizou esta corporação”.

Mais uma vez, você com seu esforço, amor e humildade, encheu de mais alegria o coração de nosso Pai tão querido. Meu filho, esta “Centúria Lunar” é para você mais um degrau em sua marcha evolutiva e mais responsabilidade em sua grande missão de Mestre nesta Doutrina do Amanhecer.

A Centúria significa para o Mestre Apara a Chave de um Portal de Desintegração aos mundos ainda desconhecidos nesta encarnação a você. Com esta Chave, você vai adquirir mil conhecimentos como eu recebi.

Jesus lhe dê as forças necessárias, aquela força que recebi há vinte anos atráz. Busque sempre em suas origens as heranças e as energias necessárias para cumprir com perfeição sua tarefa cármica e possa sentir-se um homem plenamente realizado, e possua sempre a paz interior que é indispensável para que seu Sol Interior possa irradiar e iluminar sua luz a todo este universo.

Conheço bem os seus caminhos e peço por você em meus trabalhos.

Com o amor da Mãe em Cristo.

Tia Neiva 09-04-78.

CARTA ABERTA Nº05

SALVE DEUS!

Meu filho Jaguar:

Filho mente calma, significa personalidade e segurança. A nossa lição, exige preservar a fé; o pensamento incessantemente vigilante para não perder O EQUILÍBRIO. Lei que com freqüência traduzimos por maneiras diferentes, porem em estradas que se encontram no auto domínio em relação à mente. É preciso saber discernir entre o que é importante e o que não é. Não se preocupe, também pelos diversos pensamentos e não se considere desequilíbrio os inúmeros pensamentos ligeiros que nossa Alma, quando anda a vaguear produz. Não tenho capacidade de fazer uma analogia, porem gostaria que meu filho se sentisse a vontade, sem superstição e sentindo-se como se estivesse em uma imensa NAVE, para uma viagem desfolhando o livro de sua própria história. É a realidade da vida. E então quando a historia termina fechamos o livro e desembarcamos. Para onde? Poderás me perguntar! E eu ti direi, que pelas passagens na tua história, saberás o que te preservarás. Deus nos deu inteligência e o poder, que fala pelas vibrações. Preste atenção na tua historia, e veja se na lei do auxílio, algo poderás mudar.

Meu filho, nenhum homem pode ser feliz se estiver rodeado de vibrações e discórdia. As forças vibratórias aos que estão em harmonia com os poderes superiores, forças de vibrações harmoniosas, são também mais fortes transmitidas pela LEI DE AUXÍLIO.

Veja, na maioria reclamamos sentindo-nos injustiçados, só conhecemos quando estamos sendo vibrados, e nem um só vez, nós lembramos de fazer um exame de consciência, para ver se não estamos fazendo alguma injustiça. Saiba que o maior desajuste é o julgamento. A preocupação de estar sendo vibrado acaba por vibrar no outro, que nada tendo contra, se isenta, voltando contra ti mesmo. Quantas vezes, eu consulto pessoas que me afirmam estarem sendo vibradas, no entanto, elas mesmas “captam” as más influências; porque sem qualquer análise vão se jogando contra os que dizem ser os seus inimigos. Ontem, ouvi no Canal Vermelho um casal desquitado que tinha oito filhos. Presenciei o triste quadro, alguém teria que desencarnar a jovem senhora, porque suas vibrações não deixariam seu marido ganhar dinheiro para criar os filhos missionários, que precisavam viver. A cura dos doentes apenas é passageira. Não te preocupes; preocupes somente, em preservar a saúde. Esta preservamos com a conduta DOUTRINÁRIA. É considerado falta de honestidade, as pessoas que se isentam da culpa que produz a Lei de Causa e Efeito, e fica acusando este ou aquele, que por ventura passou em sua vida. Este fato esta se evidenciando muito na mãe abandonada pelo pai do seu filho, inverte a linda mensagem SER MÃE! Não se compenetra, não percebe os prazeres de sua juventude, vê apenas, pai e filho como uma arma apontada no peito, por outro lado, o pai responsabiliza seus insucessos à família abandonada.

Abandonada que em casos partem destes conceitos vibracionais ou conceitos estes, sobre as vibrações. Eu já estou habituada com esta espécie de consultas. Tia! Encontrei esta criançinha abandonada e gostaria que a senhora ficasse com ela. Eu tenho uma filhinha como esta, porém minha mulher é quem cria. Oh Tia! Olhe também por ela, soube que esta até passando fome, o meu coração doe com estas coisas. Penso! Eu vou internar aquela criança, vou sofrer, vou trabalhar para sustentá-la; então poderia dizer: se tinha amor! Porque a deixou partir? Volto ao desequilíbrio das vibrações.

Internei a criançinha, sorrindo, sem nada dizer; pensando, realmente, eu vim para ensinar e não corrigir o que já esta feito. Mudar a filosofia de um homem é o mesmo que ter a pretensão de transformar a natureza. Aquela criança não podia ser abandonada também por mim. O homem e a mulher enciumados, vão deixando morrer os filhos. A guerra não destrói o homem. “O que pode destruir o homem” é o mais frágil, e o mais belo de toda criação, é o coração de nossa própria mãe.

Filho, amando sem qualquer pretensão, entrego a JESUS os meus olhos para que os tire se por vaidade negar este imenso amor.

A mãe em Cristo.

Tia Neiva.

Em, 21-10-77.

CARTA ABERTA Nº04

Salve Deus!

Meu filho Jaguar:

Esta carta tem um sentido mais profundo de amor, porque tudo começou da maneira mais original que já senti, vi, e ouvi, em toda minha vida, Deus fez o homem para viver cem anos neste mundo, e ser feliz no livre arbítrio onde ninguém é de ninguém, na liberdade total da alma que aspira nas afinidades do sentimentalismo, onde o Sol e a Lua, a chuva e o vento,tão distintamente controlados afetam.

Assumimos o compromisso de uma encarnação, e juntos partimos, não só pelas dívidas em reajustes, como também, pelos prazeres que este planeta nos oferece, sim, estando no espaço, devendo na Terra, sentimos desolados e inseguros, porque estamos ligados pelas vibrações contraídas. E neste exemplo, Jesus nos afirma, que só reajustamos por amor. Tudo começou assim:

Viajava para uma estação de água, na velocidade do carro, uma linda mulher, marcando mais ou menos dois anos de desencarnada, emparelhou ao meu lado e como se estivéssemos parados e começou a contar sua vida que muito me impressionou pela maneira natural.- Morava na cidadezinha por onde eu passara, e que amava perdidamente o seu esposo Antonê, era como se chamava. Porém, perdi a segurança e comecei a sofrer e faze-lo sofrer, me inimizei com toda a família. Passei a viver num suspense terrível, se saíamos para uma festa, e ele estivesse alegre e feliz, eu começava a me torturar e acabava por manifestar qualquer mal, contanto que ele se sentisse infeliz e, estando triste eu começava também às minhas suspeitas. Olha como martirizei a vida do meu pobre Antonê. Sim, de toda sua família. Não tive filhos, porque filhos me separariam, não me dariam tempo de correr atrás do meu marido. Pensava nos conselhos de minha sogra, conselhos tão queridos que me davam mais suspeitas, até que rompi com toda família. Então Antonê começou a mentir-me, um dia o vi conversando com uma moça que havia sido sua namorada. Fiz um escândalo terrível. Porém, desta vez ele permaneceu numa atitude afirmativa, e eu tive medo, depois ele disse num tom firme:

De hoje em diante, irei todos os dias na casa de minha pobre mãezinha, que você destruiu. Você não me impedirá. Sim, foi com se o mundo tivesse rodado para mim, parecia um outro homem. A sua personalidade que eu não conhecia, desde então, fui perdendo o controle, já agora sentia imenso o que havia perdido, toda minha arrogância, sem recursos para lutar, Pois, só temos forças quando estamos na Lei de Auxílio, amando ou por missão, porém, não como eu odiando, comecei a sentir saudades do que havia perdido, chegava perto dele e, apesar de sua tristeza, ele sempre me correspondia.

Pensei ter um filho, pois, era o seu ideal, fomos ao médico, este, um velho conhecido, disse com a intimidade que tínhamos, que um filho não encomendamos quando queremos e, disse mais, pela minha expansão, falta de controle, eu havia me descontrolado e precisava de tratamento e religião. Saí dali pensando como recuperar o que estava perdido. Propus pedir perdão à minha sogra, porém, ele me advertiu-me que minhas cunhadas ainda estavam sentidas demais comigo, não deveria então, chegar até lá.

Fiquei isolada, porém, ele sempre meigo, cavalheiro comigo. Ele realmente me amava. Tínhamos uma fazenda perto dali, e ele todos os dias ia trabalhar sem a minha vigilância. Dois anos que eu já havia me moderado, Antonê veio me pedir uma assinatura para vender uma fazenda. Fazenda? Eu não a conheço. Como você comprou, sem me dizer nada, quem é que mora lá? Quem são as pessoas?- Meu Deus! Não há ninguém, afirmava ele! Vou lá antes de você vender. Não! Chega, disse ele, não suporto mais e, quer saber? Não quero mais sua assinatura, e foi saindo. Antenor, o nosso vaqueiro, contou tudo que estava se passando: Emilia, a professora e ex-namorada do meu marido, estava lecionando em uma fazenda vizinha,disse mais, ela não é amante dele. Eles apenas se queixaram de suas infelicidades. Por que, D. Célia, se referindo a mim, o Sr. Antonê, eu já vi sair daqui chorando, muitas vezes dizendo: Se eu não amasse tanto Célia, eu um dia saia daqui e não voltaria mais. Chega , gritei! Não quero mais ouvir.

Antonê foi embora e, eu sai correndo até a casa de minha sogra, porém Deus não deixou que eu a fizesse sofrer mais. Uma camionete me atropelou, me levaram para o hospital aonde vim a morrer. Não falava, porém via todos, minha sogra, meu marido e algumas cunhadas. Meu marido chorava com resignação, o padre veio e me deu a extrema-unção, foi só o que me lembrei. E por muitos anos comecei a vagar, sempre me lembrando das palavras da extrema-unção, ressuscitar os mortos, então tinha medo de me afastar do cemitério e perder a oportunidade, não me encontrei com nenhum morto que fosse meu conhecido, apenas um Índio insistindo para que eu deixasse meu marido, em fim, que eu abandonasse o meu mundo, aquela cidade onde era tudo para mim, onde eu ainda tinha esperanças. Todos os dias pela madrugada, um silvo muito grande nos despertava e eu ficava na expectativa da ressurreição, e como seria se eu não conhecia nada que pudesse acreditar. Porém a minha mente, já estava tão habituada a crer nas minhas calúnias, naturalmente, foi o fenômeno habitual . Este silvo vinha de um lindo homem vestido como um Romano Centurião, acompanhada de uma linda mulher Romana; diziam coisas lindas, levavam pessoas junto com eles, porém somente eu não me convencia. Um dia chegou um enterro, pensei, quem seria? Sete dias depois do enterro chegou Lazinha, uma mulher que se havia perdido, e sempre estava presente. Nos vimos e eu quis fugir, como sempre, ela então me enfrentou. Célia aqui também? Este é o mundo que não pode existir orgulho, e com o mesmo cinismo me desafiava com o olhar. Novamente começou a contar o que havia sucedido; Antonê viajou; Inácio seu cunhado quase matou “Zeca” chofer da camionete que te matou, depois rematou, sabe eu vou embora daqui. Sim, uma coisa muito falada na cidade; ninguém veio no seu enterro (sim, pensei), no entanto, no seu Lazinha, foi tanta gente! Há! disse; graças a Deus, nunca infernizei a vida de ninguém, nem nunca levantei calúnia de ninguém, nem mesmo condenei Fugencio, que me desonrou. Meus pais me botaram para fora da fazenda, sofri porem não condenei ninguém, hoje todos estão arrependidos e eu sai bem com todos, e agora vou-me embora. Pra onde? Nisto um Índio que se dizia chamar Tucuruy foi a levando pela mão, comecei a gritar ressurreição! Ressurreição! Espere a ressurreição. Não há ressurreição. Não é para uma cínica como eu. Oh! Meu Deus, como pude viver acusando e caluniando as pessoas, o que fiz? Nisto vi de longe, lá na minha sepultura Emilia e Antonê ajoelhados, colocando uma rosa vermelha na sepultura, dizendo algumas palavras, fiquei onde estava e pela primeira vez, senti aliviada. Emilia que tanto a caluniei. Logo que saíram, corri para lá e abracei a minha rosa, a última esperança na Terra, pedindo a Deus por Emilia e Antonê, nada me valeria a ressurreição. Esta rosa é minha última esperança de um perdão, se Emilia me perdoa, todo o mundo me perdoará. Fiquei ali extasiada não sei por quanto tempo, até que Tucuruy, o mesmo Índio que levou Zazinha, me entregou a senhora Tia Neiva.

Meus filhos, eu então lembrei-me do que ensino: a minha missão é o meu Sacerdócio.

Mesmo naquela viagem de estação de águas, eu era a mesma Sacerdotiza dos Templos.

Encaminhei-a com amor.

E com o mesmo amor entreguei meus olhos, que somente, Jesus é testemunha se por vaidade eu me afastar um dia.

Carinhosamente a Mãe em Cristo – Tia Neiva

CARTA ABERTA Nº 03

SALVE DEUS!

Meu Filho Jaguar:

Vamos hoje, individualizar nossa posição na Terra, esclarecendo-nos de tudo que nos faz sofrer. Esta minha mensagem precisa ser ouvida na individualidade, sem o turbilhão da tarefa de cada dia, porque a paisagem que nos cerca muitas vezes nos envolve desperdiçando Energia. Pois o espírito na Terra está sempre indeciso, entre as solicitações de duas potências: Sentimento e Razão, para terminar este conflito é preciso que a luz se faça em nós, sabemos que a Alma revela-se por seu pensamento e também pelos seus atos. Porém nem por isto devemos nos escravizarmos.

Jesus! Nos coloca como Discípulos ao alcance dos Mestres, veja filho, já estava começando a clarear na Terra e eu me enchia de cuidados, pelo meu corpo que ainda estava na cama. Então, ia me despedindo de Amanto, quando Pai Joaquim das Almas me chamou, dizendo que eu ainda teria muito a ver. Realmente, tive a maior surpresa: Seguindo Pai Joaquim das Almas, cheguei à pequena Mansão, e fiquei observando um belo casal, já vestidos de uniforme, me viram de longe e exclamaram de uma só vez em harmonia comigo: Salve Deus! Tia Neiva, vamos à mansão? Sim! Completamente desconhecida para mim, uma linda moça tocava um harmônio, vestida num longo vestido rosa, marcando 1930, com a minha chegada, virou-se para mim como se me conhecesse- fui pronunciar o nome do Médium, Pai Joaquim das Almas não deixou. Então eu me obstinei em dizer , somente, mora aqui? Oh! Tia Neiva, eu e Angélica estamos completando nosso tempo e completou.Eu a senhora já sabe, minha vida como é, cada dia se torna mais difícil, há pensei, entendendo, porque a gente se conforta tão facilmente nestes tristes carreiros terrestres, sim minha filha.-Angélica e Jerônimo é como se chama este seu filho “Médium” se amam muito, porém estão sentenciados por um crime cometido no Império de Dom Pedro.

Imaginei Jerônimo com 50 anos, uma família desastrosa, meu Deus! Se soubesse não se queixava tanto. É, completou Pai Joaquim das Almas, justamente a família que ele desajustou nas imediações do Angical. Perguntei pelo casal que encontramos de uniforme, me respondeu que todos nós temos um amor um grande amor na nossa vida,que diz ser a Alma Gêmea e na totalidade estão separados reajustando o que desajustaram por amor, pela benção de Deus se encontram e se fortalecem.

Triste é quando uma está presa no Umbral e a outra na Terra não tem direito de se encontrarem. A angustia e as saudades nos devoram a Alma.

Senti uma tristeza como se aquela despedida fosse eterna. Lembrei-me de Jerônimo me pedindo a benção do amor de Mãe Tildes, em ficar conosco se afastando até mesmo de Pai João.Levantei o meu espírito me lembrando da nossa grande missão.

Fui encontrar Amanto e um novo mundo se descortinou, Salve Deus! Na terra o Sol magnífico outra visão, sentei na mesa para almoçar quando entro Jerônimo, que mora aqui em Planaltina: Oh! Tia! A senhora fez o meu trabalho? Sabe, tudo mudou- amanheci com tanta coragem, deixei a mulher falando e nem me importei. Deus lhe pague. Não fiz nada, recebi apenas uma lição, sorrimos como se ele estivesse consciente.

Jerônimo equilibrou o seu Sol Interior. Quando estamos em paz com a gente mesmo, nada nos atinge, vamos meus filhos, equilibrar os três reinos de nossa natureza, e pagarmos com amor o que destruímos por não saber amar.

Jesus que tem os meus olhos pela verdade de vosso amor.

A Mãe em Cristo- Tia Neiva. 25-09-77

AS LINHAS DA CIÊNCIA DO AMANHECER

Salve Deus!

Meu filho Jaguar.

Esclareça e ilumina a Divina Providência este nosso encontro, deixando por instantes, os nossos pensamentos a vaguear na amplidão circunstancial desta Doutrina. Meu filho; estamos a remover séculos, em busca das Raízes que deixamos. Voltamos para evoluir o mundo que ferimos, quando nos afastamos de Deus, naquela noite triste de luar, quando a dura experiência nos arrancou do mais alto castelo de força, baseada no imenso poder químico, que transformava a água em pedra, e que nus fez esquecer que, átomo por átomo, fomos por Deus construído. Era um sacerdócio poderoso, onde o homem se concentrava, salientando-se a necessidade de moderação e equilíbrio, antes dos momentos menos felizes dos outros.

Analisamos, sem a mínima compaixão por nós mesmos, todos os acontecimentos que nos deram à orientação e a conduta dos seres que fomos, corajosos, inteligentes, porém nos perdemos em meio de tantas riquezas. Inteligência!.. Tivemos o tempo para ir e voltar. Verificamos, então, que a Terra não passa de imenso universo, onde temos a razão do que vemos. Agora já é um pouco tarde para voltarmos, se somos missionários e trouxemos uma lição. Falando de uma forma espiritual, no tempo preciso somos, então, aquele espírito já colocado numa posição de destaque, no Limiar do III Milênio. E quanto à delimitação do tempo, a própria palavra já diz: III Milênio. Abraçaremos o que nos deixaram os nossos antepassados nos altos do Céu. Eis a única forma de favorecermos a paz em nossos corações. Energias transferidas pela nossa falta de Deus, hoje estamos aqui, com o nosso Sol Interior, Iniciático, na obrigação de agora transferir até aqui. E neste compromisso comigo, terás que conhecer o mais alto culto da Ciência-Mãe, ou seja, Magia Geradora. O teu Aledá, o culto secreto que é a Cabala de Ariano, conforme já provamos naquele mundo iniciático de Pai Zé Pedro e Pai João, que deram o nome de Ariano, que nos quer dizer RAÍZES DO CÉU.

Desconhecido, com a volta, em 1700, de Pai Zé Pedro e Pai João, perderam o seu real significado, agora chama LINHA MATER. Desde a chegada do CISMA DE IRISHIN, quando tudo foi ocultado, somente as raças africanas, por seus sacerdotes, guardaram sua origem e seus valores, até que se formou a grande BARREIRA, para individualizar o APARÁ na força de OLORUM e o DOUTRINADOR na força de TAPIR, força nativa predominante no REINO CENTRAL. Eis a exclusão desses ORIXAS com os seus respectivos. Vou discriminar SETE posições ritualísticas, para serem usadas nos trabalhos de contagem.

Temos que patentear os conceitos africanos, porque, para seguir as LINHAS honestamente, é preciso conhecer, fundamentalmente, as LINHAS DA CIÊNCIA DO AMANHECER. Sabemos que isto é um assunto complexo. LINHA OLORUM, predominância nativa, recolhida a Chave Mestra ou Trino, desapareceu, deixando uma porta velada e a outra alterada. O feitichismo, no entanto, que lhe foi dado, é o grande perigo de saber demais. Daí para cá, tudo cresceu demasiado, e descambou demasiado também, como nós. Ficou, assim, formada a Corrente do Astral Africano no Brasil. Pai Zé Pedro e Pai João, com a missão precipitada de agir dentro deste povo Africano, são os únicos que podem traduzir a Lei que coordena no Limiar do Cosmo Adjunto Jurema. O centro vital é o princípio de todas as coisas. Adjunto Jurema, Divino Amacê, portal que assume uma desintegração, reintegração e integração. Reintegração é a força que se desprende para passar por uma composição em células construtivas ou ação construtiva, no constante desagregar e agregar nos impulsos dos corpos no centro coronário. A intensidade da força que desagrega aumenta a nossa vitalidade, fazendo progredir seu grau de evolução.

Confiante na força de OXOSSI, que nos rege e nos guarda na sutileza de nossa alma, o despertar da Mãe em Cristo.

Tia Neiva.

Vale do Amanhecer, 07-09-77.

segunda-feira, 15 de março de 2010

CARTA ABERTA Nº02

CARTA ABERTA Nº02


SALVE DEUS!

Meu Filho Jaguar!

Na Doutrina Espírita a fé representa o dever de raciocinar, com responsabilidade de viver, porém, com amor no equilíbrio do seu Sol Interior. Sim meu filho! O Sol, a nossa vida por Deus construída. Porque o Sol Interior é formado pelos três plexos no Reino Coronário, sendo corpo físico, devemos estar sempre compreendendo os nossos instintos da carne do Reino Físico. No plexo Etérico, ou Perispírito “A nossa Alma, ou Micro plexo”, quando bem sintonizados, se desprende do corpo e parte em busca dos nossos desejos, se estamos em perfeita sintonia em Deus, ela vai até o Cósmico, nos traz força e energia formando o nosso Sol Interior; tudo dependerá de nós sabermos harmonizar estes três Reinos de nossa Natureza: AMOR, HUMILDADE e TOLERÂNCIA. A nossa responsabilidade é grande demais pelo compromisso que assumimos nos planos espirituais para sermos o socorro final nesta nova era. Meu filho! Faremos de nossa missão o nosso sacerdócio.

Jamais irei exigir nos vossos aparelhos, os Anjos do Céu, irei sempre nas matas frondosas de Xingu em busca das mais puras Energias para o conforto e harmonia da cura do corpo e do Espírito, e desenvolvimento material de vossas vidas. Força de Xingu força Vital, Extra- Cósmica.

A lei física que nos conduz à razão é a mesma que nos conduz a Deus.

Não somos políticos, porém, temos como obrigação obedecer as leis, cumprir com dignidade o que nos rege os nossos governantes de nossa Nação.

Não vos considero como tradicionais espíritos das Mesas de Kardek ou dos Luminosos Terreiros. Concebo-vos preparados, Magos do Evangelho, no Limiar do Terceiro Milênio.

Existe um Céu espiritual ao nosso alcance. Existe uma outra Natureza que esta além da Manifestação habitual que conhecemos, que só mesmo as heranças trancendentais nos levarão a vidas além Karma.

Rogando a JESUS, aquém entreguei os meus olhos, pelo vosso amor.

A Mãe em Cristo

Tia Neiva. 11-09-77

Cartas Aberta Nº 1

CARTA ABERTA Nº01


SALVE DEUS!

Meu Filho Jaguar:

Todos nós temos um Sol interior e pela força do seu pensamento tem como medida o grau de evolução. Este Sol deverá ser desenvolvido, sempre com o objetivo de favorecer o bem acima de tudo, na lei de auxílio, completando sempre o ciclo Iniciático nos Três Reinos desta natureza. Primeiro, procurar o equilíbrio físico moral, individualizando-se em perfeita sintonia em Deus, para que a força da inteligência se torne perceptível por sua expressão vibratória.

Além desta vibração, saber movimentar os poderes do seu sol interior. Meu filho; são fáceis os contatos físicos nos planos físicos, quando não temos muita terra no coração. Porém, com o coração pesado, só encontramos a dor, a angustia do espírito conturbado pela subdivisão dos três sistemas no seu reino coronário, porque a tua Alma Divina exige o teu bom comportamento.

Quando assumimos o compromisso de embarcarmos nesta viagem, viemos equipados do bem, assumimos o compromisso para o reajuste de um débito, o qual não somos obrigados a assumir, porém, tão logo chegamos, pagamos centil por centil do que prometemos. Tenha esta cartinha como um despertar da Mãe em Cristo.

Tia Neiva

04-09-71.